em busca do brilho próprio

Category: família

“vivemos em um mundo capitalista, onde quem tem destaque cultural, social ou econômico inevitavelmente tem poder”. Até aqui, nenhuma novidade. O que nem todos sabem é que pais poderosos interferem diretamente no processo da construção da identidade dos filhos.

cada família possui vínculos de lealdade que mantêm seus membros ligados entre si. é justamente a partir deles que se constrói a identidade de cada indivíduo. os filhos precisam articular esses vínculos com as relações construidas nas famílias de origem. e esta articulação vai determinar o padrão de relacionamento dentro e fora da família.

a construção da identidade familiar, que inclui uma contabilidade com débitos e créditos que atravessam gerações, muitas vezes torna-se um compromisso inconscistente. estes fatores podem levar uma criança a abrir mão do seu próprio bem-estar em nome da preservação de valores familiares.

numa família em que o sucesso de um progenitor é um atributo e um valor determinante da identidade familiar, por exemplo, existe o risco dos filhos se sentirem na obrigação de dar continuidade ao estilo de vida e trabalho dos pais. Para cumprir aquilo que julgam ser uma missão familiar – implícita ou explícita – eles abrem mão de escolhas pessoais.

e este é o desafio maior do filho de um pai brilhante: encontrar equilíbrio entre autonomia, sua própria família e uma herança de valores. ao construir uma identidade própria, deixando de lado o estilo de vida do pai, o filho, muitas vezes, sente como se estivesse traindo a família. mas é preciso suportar o sentimento de, em algum grau, trair crenças, padrões e estilos familiares aprendidos na infância para encontrar o próprio brilho. trilhar um caminho pessoal não significa necessariamente deixar para trás valores de gerações anteriores. significa, sim, misturar o velho e o novo, aquisições pessoais às originais. significa criar o próprio sucesso, criar o brilho genuino.